Pesquise artigos do blog:

segunda-feira, 30 de maio de 2011

O Bom Casal Gay (Inspirado na parábola do bom samaritano e no texto “O Bom Travesti”, de Rubem Alves)

E numa tarde de domingo, vários pastores e líderes evangélicos e católicos, também apoiados pela ala “cristã” da Câmara e do Senado, encostaram Jesus na parede e lhe fizeram a pergunta crucial: Diga-nos logo quem são aqueles que fazem a Tua vontade e amam o próximo segundo a Tua verdade?

E Jesus então lhes contou uma história:

Um bebê foi abandonado por seus pais num valão que ficava entre duas igrejas: uma catedral católica, tradicional na cidade por sua beleza e imponência arquitetônica e um mega-templo evangélico, repleto de carros do ano à porta, cujo pastor ostentava seus muitos dotes financeiros em ternos de corte impecável e carros importados de causar inveja aos maiores empresários da cidade.

O pastor e sua esposa iam para o culto e ao pararem num sinal de trânsito perceberam o bebê jogado no valão, abriram o vidro blindado do seu carro e ouviram o choro da criança. Repreenderam o demônio que havia na “mãe tão desnaturada” que havia abandonado a criança ali, e já pensaram em organizar a Marcha Profética pelo fim do abandono de crianças. No entanto, devido às muitas viagens “em nome de Deus” e também do gasto que já tinham de condomínio e manutenção dos carros importados, não poderiam assumir o risco de levarem aquela criança pra casa, pois além dos gastos que lhe trariam, não sabiam sua procedência e se havia sobre ela qualquer espécie de maldição.

O sinal abriu, e partiram, orando por aquela situação.

Logo depois, no mesmo sinal passou um casal de católicos fervorosos. Há 20 anos lideravam movimentos de Encontros de Casais com Cristo, além do marido ser atuante nos Cursilhos de Cristandade. Viram aquela cena e choraram ao ouvirem o choro da criança abandonada. Falaram sobre as diversas Campanhas da Fraternidade, de como aquele quadro deveria ser mudado, perguntaram entre si pela turma da Teologia da Libertação, que não aparecia naquela hora e lamentaram não poder levar o bebê, devido ao fato de já terem gastos excessivos com seus cães labradores, ganhadores de concursos regionais. Mas saíram dali dispostos a participarem da próxima Marcha pela Família, organizados pelos setores de defesa da vida da sua igreja.

Já no fim da tarde, passava por ali dois rapazes, que comemoravam a recente decisão do STF em favor da união civil homoafetiva. Brindavam o fato de poderem legalizar a sua situação, já que há 8 anos viviam juntos. Mesmo em meio à música alta que tocava no carro, ouviram um choro ao longe, ao pararem no sinal vermelho. Abaixaram o som e viram a criança que soluçava e já quase não tinha forças, abandonada ali ao relento, desde a manhã...

Choraram muito. Pararam o carro, desceram e pegaram o pequenino no colo. Seus corações arderam de amor por aquela vida tão frágil e indefesa que decidiram leva-la para o apartamento em que moravam, que passava por uma reforma, e decidiram deixar para depois a conclusão da sala-de-estar e transformaram o espaço no quarto do bebê. Deram-lhe o nome de  Daniel, que um dos dois lembrara significar “Deus é meu juiz”, e o bebê agora sorria, ao tomar seu primeiro banho, nos braços dos seus novos pais...

E Jesus, encarando os olhares furiosos daqueles que estavam ali lutando pela honra da família cristã, perguntou:

- Qual destes casais provocou um sorriso de aprovação na face amigável de Deus?

José Barbosa Junior, maio/2011

7 comentários:

Anônimo disse...

Um gesto de bondade não apaga a ira sobre aqueles que desobedecem a Deus...

Anja_Arcanja disse...

Mas e quanto aos outros? os ditos filhos de Deus e "santos"?

Anja_Arcanja disse...

E o que nós podemos fazer para aplacar a ira de Deus? Só mesmo o sangue de Cristo aplaca a ira de Deus. Não há nada que possamos fazer para aplacar esta ira! Mas o fato é que a igreja se recusa a aceitar que o estado reconheça os direitos civis dos homo, enquanto que esta mesma igreja marginaliza e exclui não só os homos, mas também os menos favorecidos, os dependentes químicos entre tantos outros 'grupos' de ex-comungados pecadores que a igreja quer bem longe de suas portas, "assim também como no céu"! A igreja de hoje se transformou em um círculo fechado, e creio que esta não é a vontade de Deus. Cristo enquanto esteve entre nós, não lançou nenhuma palavra que não fosse de amor para com os pecadores e excluídos, mas já aos religiosos e doutores da lei... sem comentários!

Anônimo disse...

gozado, seu deus se ira? o meu é todo amor e bondade, justo senhor que me ampara na tristeza e me saúda na alegria, um Deus que me fez À sua imagem e semelhança para ser feliz e para comemorar sua graça e admira-lo em sua obra, pois pela pata se reconhece o leão, mas ja que seu deus é um deus de ira fico contente em não compartilhar a sua mesa, prefiro o meu

Anja_Arcanja disse...

rsrs Meu caro "anônimo" deuses não se iram nem se alegram e nem ao menos amam, pois não existem! Mas Deus com D de Deus e não "deus" se vc procurar nas velhas páginas de um antigo livro que vc talvez não conheça, a Bíblia, irá encontrar diversas passagens neste sentido! Grata pelo seu "infeliz" comentário.

Nina Pereira. disse...

Muito fácil falar o que bem quer sem mostrar quem de fato é!

Anja_Arcanja disse...

Querida, penso que voce se equivocou em seu comentário, pois me mostro sim, não apenas eu mas também a minha familia. Basta olhar direito meu blog que voce verá.

Grata por seu comentário.

Anja

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...