Pesquise artigos do blog:

sábado, 21 de maio de 2011

Os 7 mistérios da Bíblia



Quando oramos, falamos com Deus. Quando lemos a Sagrada Escritura, Deus é que fala conosco.”

“Quando oramos, falamos com Deus. Quando lemos a Sagrada Escritura, Deus é que fala conosco.” A frase é do bispo Isidoro de Sevilha (560 a 636 d.C.), considerado um dos mais importantes teólogos medievais, e retrata muito bem o status que adquiriu a Bíblia. Apesar de seu nome ser usado no singular, o significado original em grego é “livros”. Isso porque a obra reúne, na realidade, 66 escritos, produzidos durante 1.600 anos e por 40 diferentes autores, desde humildes agricultores e pescadores a renomados reis. Sem ela, o mundo não seria o mesmo. Foi a Bíblia que trouxe as bases das três grandes religiões monoteístas: o judaísmo, o cristianismo e o islamismo. Ao se transformar na publicação mais lida e distribuída no mundo, sendo traduzida para mais de 2.400 línguas e dialetos, também moldou a cultura e os valores da sociedade, universalizando direitos e promovendo a liberdade de consciência e de expressão.

Mesmo diante de tamanha importância, são muitas as dúvidas que ainda cercam os relatos bíblicos. Milhares de estudos e artigos já foram publicados sobre os mais diversos trechos e acontecimentos descritos no livro, mas eles continuam resistindo como fonte de não poucas polêmicas. Tudo bem, alguém pode culpar Martinho Lutero, João Calvino e os demais reformadores protestantes e seus ensinos de livre interpretação das Escrituras como a razão para tantas opiniões diferentes. Mas convenhamos: compreender por que um Deus tão bondoso permite o sofrimento e ainda manda matar ou entender o que significam todos aqueles estranhíssimos seres e eventos registrados no Apocalipse não é nada fácil.

A seguir, você conhecerá sete das mais discutidas questões sobre a Bíblia nos últimos tempos. O debate é bastante diversificado. Na discussão histórica, a dúvida é se eventos fantásticos como o dilúvio universal, a Arca de Noé, a abertura do Mar Vermelho aconteceram ou são apenas simbólicos. Por outro lado, é analisado um assunto bastante prático, apesar de tantas vezes metafísico: segundo os textos bíblicos, o que acontece com a pessoa quando ela morre? E aí, nem o inferno escapa. Se você imaginava ele como um lugar embaixo da terra, onde enormes labaredas de fogo se misturam a umforte cheiro de enxofre e para onde vão as almas dos maus logo após seus falecimentos, pode ter uma enorme surpresa. Encontrar as respostas exige tempo, estudo, oração e, claro, auxílio divino. Mas a recompensa de conhecer um pouco mais da Palavra de Deus vale qualquer esforço. Como explicou certa vez o teólogo presbiteriano Francis Schaeffer (1912 a 1984): “Um simples cristão com a Bíblia na mão pode dizer que qualquer um, até a maioria, está errado”.

1 – Os grandes eventos e milagres aconteceram mesmo ou não passam de mito?

Durante séculos, ninguém ousou dizer que algo narrado pela Bíblia poderia não ser verdade. Se a ciência discordasse de alguma coisa, era ela que necessariamente estava errada. Esse panorama começou a mudar no começo do século 18, com a Revolução Industrial e com o Iluminismo. Dentro e fora da Igreja, pessoas começaram a estudar o livro como qualquer outra obra histórico-literária, aplicando nele os métodos da análise crítica. O resultado é visto numa série de questionamentos: A história do dilúvio e da Arca de Noé não é apenas um mito? O êxodo dos judeus fugindo da escravidão no Egito e abrindo as águas do Mar Vermelho pode ser simbólico? E o que dizer dos fantásticos milagres de Jesus, que teria até ressuscitado? Para os mais críticos, eventos como esses nunca aconteceram. Canaã, a região que hoje corresponde a Líbano, Palestina, Israel e partes da Jordânia, do Egito e da Síria, estava sob o domínio egípcio e era necessário criar um relato que inspirasse as diversas tribos a lutar contra essa situação. Assim, surgiu grande parte do Gênesis e do Êxodo. Quando a Bíblia conta que as leis mosaicas foram encontradas no templo, durante o reinado de Josias, por volta de 622 a.C., também inventa um relato para explicar o surgimento das diversas regras. “Quem escreveu textos como Deuteronômio foram os próprios sacerdotes da época de Josias”, destaca a historiadora norte-americana Karen Armstrong em seu livro A Bíblia (Jorge Zahar Editor).

Ainda segundo Armstrong, depois da volta do exílio babilônico, por volta de 538 a.C., a fé dos hebreus foi radicalmente transformada. Antes politeístas e adorando vários deuses, agora eles optam por reverenciar apenas Yaweh. Sob o comando do sacerdote Esdras, os textos são editados e enriquecidos. Trechos como os Dez Mandamentos e a proibição de casamento dos judeus com outros povos teriam surgido ali. Entre aqueles que fazem coro com a historiadora estão vários teólogos liberais. Para eles, a Bíblia usa uma linguagem figurada e poética muito forte. Moisés não abriu o Mar Vermelho, mas faz sentido usar isso como metáfora, já que o mar é símbolo do caos e, para se libertar, o povo vence as forças do caos egípcio justamente com a ajuda de Deus.

Ultimamente, essas versões ganham força principalmente por causa de livros, documentários televisivos e reportagens em revistas seculares. Mas são pouco aceitas entre a maioria dos evangélicos. “Como sacerdotes do tempo de Josias teriam inventado essas histórias se mais de 200 culturas, por exemplo, preservaram a história de uma grande inundação que destruiu a Terra e da qual foram salvas algumas pessoas num grande barco? É bastante provável que esses eventos realmente aconteceram”, afirma o jornalista adventista Michelson Borges, autor do livro A História da Vida (Casa Publicadora Brasileira).

Borges explica que dificilmente os hebreus teriam copiado essas histórias, já que seus relatos mais simples sugerem tratar-se das narrativas originais. “Além desses argumentos, há várias evidências geológicas e achados arqueológicos que confirmam a veracidade dos textos bíblicos”, completa. No caso do dilúvio, as evidências seriam variadas: metade dos sedimentos continentais são de origem marinha; fósseis de animais marinhos são encontrados costumeiramente em grandes montanhas.

Já a existência de escravos hebreus no Egito é atestada por pinturas nas paredes das pirâmides e por papiros de sarcedotes egípcios, como Ipuwer, que menciona as mesmas pragas bíblicas que assolaram a nação. Estudando os originais hebraicos do Antigo Testamento, ainda é possível encontrar palavras e expressões que são claramente de origem egípcia, o que indica que seu autor era versado nos idiomas e tradições de ambas as culturas, perfil que combina bem com Moisés.

2 – As profecias do Apocalipse são literais?

Grandes bestas que emergem do mar, multidões vestidas de branco no céu, julgamentos e vinganças empreendidas por cavaleiros sobrenaturais e animais monstruosos, que mais parecem ter saído de um filme de terror. O Apocalipse é um dos mais assustadores e fantásticos relatos da literatura em todos os tempos. Considerado uma revelação sobre a volta de Cristo e o fim do mundo, cristãos em todas as épocas o consideraram profético, ou seja, com descrições do futuro. Mesmo que pouco entendessem daquilo que está escrito nele.

“Muito do medo que vem da leitura do Apocalipse existe porque as pessoas ignoram que essa mensagem foi escrita para um público específico num contexto específico: as sete igrejas da Ásia Menor do final do primeiro século”, defendem Wes Howard-Brook e Anthony Gwyther no livro Desmascarando o Imperialismo (Edições Loyola e Paulus). Durante muito tempo, acreditou-se que o Apocalipse fora escrito para ajudar os seguidores de Jesus a manter a fé em meio à desgraça provocada por uma terrível perseguição, com a promessa de que a iminência do fim encerraria sua grande tribulação.

Essa hipótese já não encontra apoio nem entre os estudiosos mais liberais. Em fins do primeiro século, não havia perseguições generalizadas ou sistemáticas naquela região. Mas a sombra do poderoso Império Romano e seus valores corrompidos pairava sobre as pequenas e insipientes comunidades cristãs. Para que elas não sofressem a tentação de fazer as pazes com Roma, João revelou o Império como a prostituta sedutora que oferecia a boa vida em troca de obediência e de uma besta esfomeada que devorava todos os que ousassem se opor a ela.

Que o Apocalipse é um texto altamente simbólico parece haver consenso. Mas muita gente acredita que essa simbologia, sim, já desencadeia e ainda provocará outros eventos bem reais até o fim dos tempos. “Logo no início do livro, vemos que seu conteúdo abrange o passado, o presente e o futuro da Igreja. ‘Escreve as coisas que tens visto, as que são e as que depois destas hão de acontecer’ é a ordem que João recebe”, explica o jornalista e pastor assembleiano Ciro Sanches Zibordi, autor do livro Evangelhos que Paulo Jamais Pregaria (CPAD). “Eventos como o juízo final, o trono branco e a Nova Jerusalém não aconteceram. Como pensar que se referiam àquela época?”, questiona.

Desse modo, as bestas de Apocalipse 13 são simbólicas. Mas a primeira besta representaria, na realidade, um líder ou poder político e o falso profeta, um personagem religioso. Outra passagem real seria a guerra no céu, descrita no capítulo anterior. Apesar de trazer também consequências e efeitos futuros, ela mostra a rebelião de Satanás e como ele foi expulso com um terço dos anjos rebeldes da presença divina. “Por tudo isso, creio que a advertência para não ignorar as profecias são muito válidas. Eventos como a grande tribulação, a volta e vitória de Jesus, a prisão de Satanás e o estabelecimento do Milênio, o julgamento e o novo céu e nova Terra se cumprirão literalmente”, aposta Zibordi.

3 – O que acontece com a pessoa quando ela morre?

Um ditado popular garante que a única coisa certa para quem está vivo é de que um dia morrerá. Apesar dessa certeza, se existe algo que quase ninguém quer é morrer. Muito por conta da aura de mistério que cerca aquilo que está reservado ao ser humano no além-túmulo. Certo mesmo, segundo a Bíblia, é que essa história de reencarnação não existe. Todos passam por aqui uma única vez e depois disso serão julgados. E, se a vida terrena é o ponto de partida, o de chegada será a vida eterna, mas em corpos ressuscitados. Pelo menos, para aqueles que crerem em Jesus.

No demais, ou seja, o que acontece nesse meio tempo, enquanto os mortos não ressuscitam, é que as opiniões se dividem. “De acordo com as Escrituras, somos constituídos de uma parte material, o corpo, e outra imaterial e imortal, a alma ou espírito. Alguns defendem que esse espírito seria um terceiro elemento. Quando a pessoa morre, a alma continua consciente”, afirma Paulo Sérgio de Araújo, autor do livro Qual o Destino do Homem? (Editora Lio).

Para defender seu ponto de vista, ele cita dois exemplos: Moisés, que mesmo falecido, apareceu no Monte da Transfiguração (Mateus 17.1-9) e o apóstolo Paulo, que disse preferir partir ou morrer para estar com Cristo (Filipenses 1.23). “Se o apóstolo acreditasse que sua morte o lançaria num estado de total e literal inexistência, cortando sua comunhão com o Senhor, seria um absurdo total ele declarar que morrer era melhor do que continuar vivo.”

Apesar disso, esses mortos não ficam vagando por aí como almas penadas e têm contato com os vivos como algumas religiões acreditam. “Até Cristo, todos ficavam no lugar que em hebraico quer dizer sheol, em grego, hades, e em latim, infernus. Daí nossa palavra inferno. Mas longe de ser um lugar tenebroso, tinha duas divisões. Os ímpios eram atormentados, mas os justos ficavam no paraíso ou seio de Abraão. Após a ascensão de Cristo, os salvos vão para o céu e ficam na presença do Senhor”, explica Araújo.

Nem todos interpretam os acontecimentos depois da morte dessa maneira. “Para entender a morte, é preciso compreender a vida”, diz o jornalista e pastor adventista Wendel Lima. Ele cita a criação do ser humano em Gênesis 2:7 para desvendar o mistério. Nessa passagem, Deus sopra o fôlego de vida num boneco de barro e o torna uma alma vivente. “Diferente do que os gregos diziam, o homem é indivisível. Quando ele morre, a alma, que é toda a pessoa, com seus intelecto e emoções, acaba. O corpo volta para o pó e o espírito ou fôlego de vida para Deus, como ensina Eclesiastes 12:7.”

Ele também recorre às línguas originais para explicar sua visão. Enquanto espírito, em hebraico, tem o sentido de “sopro” ou “vento”, alma dá a ideia de “pessoa” ou “ser vivo”. “Nada de Gasparzinhos”, aponta. O mesmo acontece com sheol ou hades. “Esse lugar nada mais é do que a sepultura, onde todos os mortos descansam até o tempo da ressurreição e do juízo”, defende Lima.

4 – Deus mandou matar?

Guerra santa é um assunto que ganhou destaque na imprensa depois dos atentados de 11 de setembro de 2001. E normalmente causa mal-estar e pesadas críticas de cristãos sinceros ao lembrar que, naquela ocasião, mais de 2 mil inocentes morreram nos choques dos aviões contra as Torres Gêmeas, em Nova York. Porém, o que poucos se dão conta é que algo muito parecido aconteceu milhares de anos atrás e está registrado nas páginas da própria Bíblia. Ali, mais precisamente no livro de Josué, Deus ordena sem qualquer cerimônia a seu povo que invada a cidade de Jericó e mate todos os cananeus que lá encontrar, sejam eles homens, mulheres ou mesmo crianças.

Não é de hoje que a ordem divina provoca consternação geral. Afinal, por que um Deus tão bom, que quer a salvação de todos, ordenou tal massacre? Essa questão já gerou acaloradas discussões e realmente não há explicações fáceis. À primeira vista, a impressão que dá é que a divindade do Antigo Testamento é muito diferente daquela que enviou o próprio Filho para morrer numa cruz pela humanidade no Novo. “De fato, há uma descontinuidade de algumas práticas do Antigo para o Novo Concerto. Antigamente, os israelitas eram usados por Deus como instrumentos de seu juízo. Hoje, é uma traição ao Evangelho pegar em armas para promover os interesses de Cristo”, diz o teólogo Tremper Longman III, no livro Deus Mandou Matar? (Editora Vida).

Para tentar solucionar o imbróglio, Longman propõe analisar a situação sobre dois atributos pessoais de Deus: seu amor e sua justiça. Ao mesmo tempo que ele é amor e quer salvar a todos, também é justo e cobrará a cada um segundo suas obras. O relato de Josué mostra que houve pessoas em Jericó, inclusive a prostituta Raabe, de quem descenderia Cristo, que foram poupadas. Se houvesse outras pessoas que mudassem sua posição, igualmente seriam poupadas. “Deus não é injusto. Porém, naquele contexto, a população de Jericó teve conhecimento da chegada dos israelitas e tomou partido de seus deuses contra Yahweh. Naquele tempo, a revelação ainda começava e demoraria tempo para que os valores cristãos pudessem ganhar força e moldar a consciência social. Mesmo assim, quem tem problemas com relação à conquista de Canaã, também terá em compreender o juízo de Cristo, pois nele, todos os desobedientes, independente de idade ou condição serão jogados no lago de fogo”, compara Longman.

Inevitavelmente, a questão puxa outra: como um Deus amoroso permite tanto sofrimento no mundo? Para debater “o problema da dor”, como C. S. Lewis certa vez chamou o assunto, é necessário deixar algumas coisas claras. De acordo com a Bíblia, nessa história não há inocentes, todos pecaram e estão sujeitos às mais diversas situações em um mundo de injustiça. Não que esta seja a vontade divina. Pelo contrário: ele criou tudo perfeito, mas quando o homem se afastou de seus caminhos, permitiu a entrada da dor, do sofrimento e da morte no mundo.

“A lição de que a rebelião – e todo pecado – leva à morte é muito clara no Jardim do Éden. Na ocasião, Adão e Eva deveriam ser mortos na hora, mas foram poupados e receberam uma nova chance. Essa graça é o motivo de qualquer um de nós ainda estar respirando. Deus minimiza o mal causado pelo homem. Assim operam sua justiça e seu amor, ainda que não aceitemos muito bem tudo isso”, finaliza Longman.

5 – A lei foi abolida?

Desde que apóstolo Paulo começou suas viagens missionárias essa questão divide as opiniões dentro da Igreja. É fato que algo foi abolido por Cristo na cruz, como propõe o próprio apóstolo dos gentios. Das 613 ordenanças entregues a Moisés no Monte Sinai, algumas reafirmações de leis já existentes, várias não são mais seguidas pelos cristãos modernos. Com exceção das comunidades judaico-messiânicas, que têm seus próprios motivos, ninguém mais pratica a circuncisão ou durante o mês de setembro acampa no lado de fora de sua casa para celebrar a Festa das Cabanas.Entretanto, é impensável que alguma igreja aceite que seus membros adorem outros deuses ou matem. Afinal, o que vale ainda nos dias atuais?

Primeiro é preciso esclarecer o que é essa tal “lei”. O termo mais comum em hebraico para designá-la é torá e em grego nomos, mas tanto pode se referir ao conteúdo total do Antigo Testamento, literalmente “a Lei e os Profetas”, quanto aos cinco primeiros livros bíblicos, o Pentateuco, aos Dez Mandamentos, à vontade revelada de Deus, a preceitos civis de Israel ou cerimoniais, como os sacrifícios oferecidos pelos sacerdotes como ofertas ou pelo perdão dos pecados da nação.

Os preceitos abolidos consistiriam essencialmente em cerimônias, como os sacrifícios. “Esse cerimonialismo foi usado por Deus para apontar a figura de Cristo. Mas os preceitos morais, como os Dez Mandamentos, continuam válidos para o povo de Deus, como Jesus mesmo garantiu ao repreender aqueles que violavam os mandamentos, por menor que fossem. A salvação é pela graça, mas para uma vida de obediência”, explica o professor Rodrigo Pereira Silva, professor do Centro Universitário Adventista (Unasp), em Engenheiro Coelho (SP), que faz parte de uma corrente que defende a validade do decálogo, inclusive a guarda do sábado como dia de adoração a Deus, para os cristãos.

Na visão do professor Jorge Pinheiro, da Faculdade Teológica Batista de São Paulo, discutir a graça divina é essencial, pois muita gente confunde salvação com obediência à lei. “Ninguém é justificado pelas obras da lei. No Antigo Testamento, a lei fazia parte do arcabouço salvífico da religião de Israel, junto do sistema sacrificial. Jesus dá início ao processo de desmistificação do papel da lei na salvação e Paulo leva essa compreensão a seu ponto mais alto. Ora, a salvação surge dá fé que a pessoa manifesta em Cristo. Para alcançá-la deve-se crer e receber de graça e com arrependimento o dom de Deus”, explica.

Pinheiro esclarece que a graça não exime o cristão de suas responsabilidades, mas muda sua vida. “A obediência ética sem amor é imposição cruel. Firma-se um relacionamento com Deus a partir da conversão, no qual, essa obediência acontece na forma de novidade de vida, porque a graça da salvação alcançou o indivíduo.”

6 – O que são os dons espirituais?

Corria o ano de 1906, quando uma série de eventos impressionantes teve lugar em um antigo estábulo localizado no número 312 da Rua Azusa, em Los Angeles, Estados Unidos. Todos os dias, mais de mil pessoas de todos os cantos do país e até do exterior chegavam ali para participar dos cultos evangélicos comandados por William Joseph Seymour. Todos buscavam a mesma coisa: o batismo no Espírito Santo com a evidência do falar em línguas, um revestimento de poder sobrenatural para cumprir a vontade divina.

O moderno movimento pentecostal pode não ter nascido em Azusa, mas depois dali, nenhuma igreja evangélica seria mais como antes. Os dons espirituais passaram a receber uma nova ênfase, tanto em denominações que aceitaram a renovação carismática quanto naquelas que, mesmo fechadas à novidade, descobriram as vantagens de buscar mais profundidade na vida espiritual mediante um renovado relacionamento com o Espírito Santo.

írito encontram-se em passagens como Romanos 12, 1 Coríntios 12 e Efésios 4. Alguns estudiosos chegam a elencar mais de 30 deles. Cem anos após Azusa é difícil encontrar igrejas que não aceitem a validade desses dons para os dias atuais. Mas aquelas mais tradicionais excluem as manifestações carismáticas, especialmente falar línguas ininteligíveis, de seus cultos. Para elas, certos sinais e maravilhas eram restritos aos tempos apostólicos e quando Paulo fala sobre profecia, refere-se à pregação inspirada no púlpito, ou sobre línguas, à capacidade de aprender outros idiomas humanos.

“É verdade que há dons de serviço e ministeriais, mas eles diferem daqueles nove mencionados em 1 Coríntios. Esses são capacitações sobrenaturais dadas por Deus para sua Igreja”, aponta o pastor Enéas Tognini, da Igreja Batista do Povo, em São Paulo, e presidente de honra da Sociedade Bíblica do Brasil. Em 1958, Tognini, um batista bastante conservador, teve sua primeira experiência em relação aos dons e falou em línguas. Nos anos seguintes, tornou-se uma das figuras centrais no processo de renovação de inúmeras igrejas batistas, presbiterianas e metodistas Brasil afora.

Ao analisar os dons espirituais e contar algumas de suas experiências, o veterano pastor de 95 anos, 68 deles dedicados ao ministério, garante: não se trata de emoção, mas de realidade. “Dons como profecia, conhecimento e sabedoria não dependem de estudo prévio. São revelações que Deus dá a respeito da realidade ou do que deve fazer uma pessoa em circunstâncias que para ela são impossíveis de resolver. O discernimento dá à pessoa a capacidade de saber se aquilo que está operando vem de Deus, da carne ou do diabo. Já as línguas não são chamadas de estranhas por acaso. São uma linguagem espiritual e precisam de uma interpretação sobrenatural para que sejam entendidas. Junto com dons de curar e de realizar milagres são ferramentas que não podemos desprezar se queremos fazer o melhor para o Senhor.”

7 – Qual é o pecado que não tem perdão?

Certa vez, enquanto expulsava demônios, Jesus fez uma advertência que até hoje causa temor em muitos que lêem as Sagradas Escrituras. Ele alertou as pessoas para que se prevenissem contra o “pecado que não tem perdão”. Muitas teorias já foram elaboradas para tentar descobrir o que ele quis dizer com essa expressão. Há quem fale em suicídio, adultério ou na rejeição da mensagem do Evangelho. Mais recentemente, os pentecostais passaram a usar o termo para advertir aqueles que não aceitassem suas línguas e profecias. “Não há base bíblica para essas suposições. Primeiro, a pessoa deve ficar calma: se é crente em Cristo Jesus e está preocupado se, por ventura, já cometeu esse tipo de pecado, pode estar certo de que nunca o praticou”, explica Josivaldo de França Pereira, pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil e autor do livro Atos do Espírito Santo (Editora Descoberta).

Nas palavras do próprio Jesus, o pecado imperdoável é a blasfêmia contra o Espírito Santo. “Em verdade vos digo que tudo será perdoado aos filhos dos homens, mesmo as blasfêmias contra o Filho do Homem. Mas aquele que blasfemar contra o Espírito não tem perdão para sempre, visto que é réu de pecado eterno”, disse ele em Mateus 12.22 a 32. “Por que essa pessoa não tem perdão?”, questiona Pereira. “Por que não se arrependerá de seu pecado, visto que jamais sentirá o desejo de confessá-lo.”

Para entender melhor esse pecado é preciso lembrar aquelas que seriam as tarefas do Espírito Santo no mundo. Segundo Jesus, além de ensinar e lembrar os crentes, ele convenceria o homem a respeito do pecado, da justiça e do juízo divinos. Porém, como completou Paulo, se o indivíduo não dá ouvidos ao Espírito, pode chegar ao ponto de entristecê-lo e apagar sua influência (Efésios 4.30 e 1 Tessalonicenses 5.19). E há pontos tão distantes de Deus que não permitem mais o retorno. Eles chegam quando surge uma contínua e deliberada rejeição contra o testemunho do Espírito em toda sua obra. Sem perceber, a pessoa rejeita e se opõe ao único recurso que pode levá-la ao arrependimento, ao perdão e a uma mudança. Com isso, seu coração torna-se endurecido e sua consciência, insensível. Sem arrependimento e confissão, ela ficará longe de Deus até o fim. Por isso, o perdão torna-se impossível.

Marcos Stefano
Jornalista da revista Eclésia

Fonte: Revista Eclésia edição n°140

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...