Pesquise artigos do blog:

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Evangélicos, gays, e o inferno

Bancada evangélica. Detalhe: sen. Magno Malta


Por Marcelo Carneiro da Cunha*

Na minha visão do inferno, estimados leitores, o calor é porto-alegrense, a comida é de bufê por quilo, a música se alterna entre o sertanejo universitário, o axé e um mix dos melhores momentos de Los Hermanos e Legião Urbana. A melhor parte é que as únicas opções de conversa são o Silas Malafaia, a Benedita da Silva, o Magno Malta e Anthony Garotinho.

Assim é o inferno, lugar tão dantesco que o diabo mesmo se mandou, após uma candidatura bem sucedida ao Senado pelo PR de qualquer estado. O inferno é o lugar para onde os evangélicos acreditam que eu, você, o senhor aqui ao lado, todos vão, se forem gays. Evangélicos sentem muito, muito medo dos gays.

Os nazistas também sentiam muito medo dos judeus. Os turcos sentiam muito medo dos armênios. Os brancos do sul dos Estados Unidos sentiam muito, muito medo dos negros. Os hutu tinham muito medo dos tutsi. Os fundamentalistas islâmicos morrem de medo das mulheres, dos adúlteros, ah, e dos gays. Os brancos têm muito medo dos indígenas. Os destros sentem medo dos canhotos. Os japoneses já tiveram medo dos coreanos e chineses, assim como os israelenses não atravessam a rua se do outro lado vier um palestino, e, nesse caso, ao que parece, o medo é recíproco.

Magno Malta, que sim, é um senador da República, além dos bicos que faz de papagaio de pirata da Dilma, tem medo de que o Brasil vire um império gay.

O inferno, caros leitores, é o lugar criado especialmente para se armazenar os nossos medos, todos eles. Os medrosos nada mais querem do que transformar a vida de todos em um inferno. A tal de frente evangélica quer transformar a nossa vida em um inferno, tudo graças ao medo.

Quem é mediado pelo medo não é capaz de dar um passo em direção ao que não conheça. E quem é ignorante, tem medo de tudo, exatamente por ser ignorante. Quem, além de ignorante, recebe uma bíblia e todas as certezas do mundo, sente o seu medo se transformar em ódio e intolerância. E é isso que vivemos, graças a esses representantes do pior, instalados de maneira muito equivocada em um parlamento democrático.

A democracia, ora vejam, caros leitores, não é simplesmente o sistema que representa a maioria. A democracia se define por ser o sistema que defende os interesses de todos. Ela preserva, acima de tudo, os direitos das minorias. As maiorias não precisam tanto assim de proteção, concordam?

O nosso sistema democrático está sendo ameaçado por gente que não acredita em direitos dos demais, porque, na sua ignorância total e totalitária, se acredita dona da razão. Isso seria engraçado, se não fosse aqui e agora. Gente que vive na mais completa ignorância se achando dona da razão, algo de que abdicaram em troca das suas certezas. O que, mas o que mesmo, gente do calibre de um Garotinho, de uma Benedita, de um Magno Malta, podem ter a acrescentar ao que quer que valha a pena ver e ouvir?

Eles vêm nos dizer que aqui, diferentemente do Irã, existem gays e eles são o mal. O que você acha disso, nobre leitor? Você acha que o mal é culpa dos gays? Ou dos judeus, dos palestinos, dos negros, dos indígenas, dos tutsis, das mulheres, dos coreanos, dos chineses, dos canhotos, dos armênios ou dos Carneiro da Cunha? O mal é frequentemente praticado por gente ruim. Olhe a foto de um Jean Wyllys, e então olhe a foto de um Malafaia, de um Garotinho, de um Magno Malta ou de um Wellington Jr. Quem lhe parece mais capaz de fazer maldades com a mais total tranquilidade?

A nossa Constituição é o nosso maior e melhor documento anti-inferno. Ela diz que somos todos iguais perante o estado e a lei. Olhem bem: todos. Até mesmo o Malta e Garotinho, até mesmo esses seres desdotados da mínima capacidade de leitura do que não for uma velha e inútil bíblia, se estamos em uma república laica. Todos, todos iguais.

Eu não acho que os Malafaia, Garotinho, Malta ou Benedita sejam iguais a mim, porque eu acredito na igualdade e eles não. Eu acredito na bondade e eles não. Tanto eles não acreditam na bondade, que não aceitam a lei que torna a homofobia um crime. Se eles não querem a lei, é porque querem manter o direito de praticar a odiosa homofobia, como fazem nas suas seitas. Querem o direito equivalente ao direito de praticar o racismo, a discriminação e o sexismo, que não existe.

Eles querem, basicamente, que o nosso mundo se transforme num inferno sobre a Terra. Normalmente, eu não acredito no inferno. Olhar para eles me faz acreditar, se não na sua existência, então na sua possibilidade. Eu não quero que essa possibilidade seja vencedora. Existe muita beleza em toda parte, nesse mundo de tantas partes. Se eles não vêem, nós vemos. E, quem vê, ora vejam, vence.


Armazenado em Homosdsexualidade

* Marcelo Carneiro da Cunha é escritor e jornalista. Escreveu o argumento do curta-metragem "O Branco", premiado em Berlim e outros importantes festivais. Entre outros, publicou o livro de contos "Simples" e o romance "O Nosso Juiz", pela editora Record. Acaba de escrever o romance "Depois do Sexo", que foi publicado em junho pela Record. Dois longas-metragens estão sendo produzidos a partir de seus romances "Insônia" e "Antes que o Mundo Acabe", publicados pela editora Projeto.

2 comentários:

Lôh disse...

Seria bom se as pessoas não dependessem de leis para respeitar o direito dos outros.

Não acredito que a homofobia vai acabar com a implementação das leis anti-homofobia. Não é obrigando ou agindo de forma parecida aos fundamentalistas, que se vai conseguir uma mudança.

No final das contas, tudo é uma briga de interesses em uma sociedade dividida, onde quem está no poder visa o próprio bolso e troca sua responsabilidade com o povo e vende sua alma aos poderosos e se torna marionete dos mesmos...

Eliel disse...

Olá, pergunto, os judeus, os palestinos, os negros, os indígenas, os tutsis, as mulheres, os coreanos, os chineses, os canhotos, os armênios ou os Carneiro da Cunha, escolheram o que são? uma decisão de comportamento fez com que eles se tornassem o que são? Em outra matéria sua sobre a inconsitência científica da Biblia, você questiona o fato das plantas terem sido criadas antes do sol, certo? então me explica uma coisa, ser Gay é algo cientificamente comprovado? ou é apenas uma decisão de comportamento? bom acredito que você terá muitos argumentos a respeito disso, mas não há nenhuma definição científica pra isso, portanto, para adiantarmos, quem acredita na existência de um mundo espiritual, acredita que os espíritos influenciam nossos comportamentos também, assim como um adultero, também são os gays, é uma decisão ser, as vezes é tão difícil não ser que achamos que nascemos assim, mas esquecemos que nossa natureza humana é o pecado e não a santidade, e que lutaremos a vida toda para mudarmos de comportamento, todos nós, cada um com seu espinho, cada um com sua fraqueza, inclusive os Gays.

Agora não é porque muitos não conseguem mudar que isso é um padrão de comportamento aceito por Deus, ele é misericordioso o suficiente para nos ajudar a mudar, mesmo que leva a nossa vida inteira.

Obrigado por permitir publicar meu comentário, não sou contra ninguém, sou a favor do Amor, se Deus ama todas as criaturas da terra do jeito que são, inclusive eu, porque eu não amaria, mas ele não quer que continuemos como somos, ele quer que reconheçamos nossos comportamentos falhos e tentemos evoluir.

A minha unica indignação é que reconheço diversos comportamentos falhos meus e luto para mudá-los, enquanto os Gays lutam para serem aceitos, porém tudo isso é decisão apenas, comportamento que pode ser modificado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...