Pesquise artigos do blog:

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Posso Confiar 100% na Bíblia?



Bem quanto à fundamentalização da bíblia, o canôn bíblico foi ser elaborada lá por meados do ano 350 d.c, o velho testamento veio a surgir por volta do ano 550 ac. O material que foi utilizado na compilação não se sabe a procedência correta, e pesquisas históricas sérias têm revelado que a maior garantia que se possui sobre a procedência e importância, é que muito material teve como propósito a união da nação hebréia que estava completamente fragmentada pós o exílio. A arqueologia tem indicado que o conteúdo do velho testamento em sua grande maioria foi um material compilado como forma de trazer unidade, para uma nação hebréia que no período se encontrava em completa fragmentação não possuindo uma identidade.

Quanto à utilização da Bíblia no Novo testamento, grande parte da igreja primitiva não contou nem com fragmentos dos textos apostólicos, até porque grande maioria não sabia ler, a leitura era coisa para poucos. A tradição oral foi à base forte dos ensinos, e referência durante os séculos anteriores ao canôn. Quando nos deparamos com tantas evidências, fica no ar a pergunta: Qual seria a tradição escrita que uniu a igreja por estes 350 anos não tendo referencia ou um livro para sua segurança doutrinaria? NENHUMA! Isso porque na verdade o cristianismo nunca foi uma “religião do livro”, como no caso dos mulçumanos e judeus. O cristianismo foi estruturado como uma filosofia para ser vivida, e na época era passada por tradição oral não legalizada. Na verdade o cristianismo de Cristo é totalmente pratico, vivencial, e um indicativo para ser personificado. Esta tradição de atrelamento ao livro é proveniente da tradição judaica, nem os reformistas se utilizavam do livro de forma fundamental, havia muitas dúvidas sobre o canôn e os textos. Por vezes eles trabalhavam com os livros de forma não canônica, livro a livro. Como referência posso citar o conflito de Lutero com a epístola de Tiago, onde inúmeras vezes a considerou como não ser consistente o bastante com a doutrina cristã.



Para entendermos esta problemática, é importante percebermos que em meio a tantos percalços cristianismo sobreviveu por 350 anos sem bíblia, e foram tempos onde ele teve o seu maior crescimento e qualidade, fato comprovado na veracidade ética dos que o personificavam a mensagem, evidências que foram registradas em relatos e cartas da época. Contrariando esta estatística, no mesmo período da formação do Canon bíblico a Igreja se uniu ao império por intervenção de Constantino e entrou no princípio do pior período de degradação do Cristianismo, claro acompanhado pelo fundamentalismo e a dogmatizacão doutrinária. Diante destes destaques do texto, percebemos que este cristianismo que é apresentado de forma ignorante, fundamentalizando a bíblia é o mesmo “cristianismo” frágil, dogmático e anêmico, permeado por medo que alavancou a igreja católica por séculos. Um cristianismo que mata sem misericórdia, e busca tornar Feio tudo o que Deus acresceu em beleza.

Para eu afirmar a bíblia de forma dogmática, preciso endossar que Deus matou Crianças, velhos e mulheres por questões religiosas. Que ele se enganou em diversas passagens, e que agiu com insegurança diante de momentos onde não foi obedecido como gostaria. Na verdade se precisaria humanizar e infantilizar demasiadamente Deus como um aristocrata mimado e humano, para poder embasar a dogmatização do livro. A Bíblia não pode ser vista como um único livro, ela é uma compilação de diversos livros escritos em períodos diferentes por pessoas diferentes, vivendo em culturas diferentes, e falando de suas concepções de mundo e vida. Se realmente acreditássemos na mensagem não precisaríamos desta falsa segurança do livro para ter fé. Falo isso à modelo dos primeiros cristãos. Eu creio em Deus o suficiente para acreditar que ele não precisa da segurança de um livro para se fazer ouvido. O livro com certeza merece o credito por possuir uma mensagem da parte de Deus que revela o Cristo, mas não possui credibilidade para se tornar um dogma.

Hum rum... Sei. acredito... mas desconfio[sic?]

Via Lixeira Teológica

4 comentários:

Carlos (Voz do povo) disse...

A questão do crer é muito pessoal, prefiro acreditar na palavra de Deus, mas quanto ao texto, como sempre bem elaborado.

Claudio Nascimento disse...

Quando lemos: "Evangelho 'Segundo' Marcos", fica subtendido que esse evangelho é a cosmo visão da "Boa Noticia" desse personagem, isso acontece também com os outros autores os quais cada um tem a mesma marca.

Paulo também dizia a apotegma "Segundo o meu evangelho" 2 Timóteo 2:8, Romanos 2:16, Romanos 16:25.

Isso mostra como o evangelho era fragmentado na mente dos pais e profetas da Igreja.

Apesar de não terem um Livro, eles seguiam as instruções do clero, isso que definia a sua Ordem.
Na verdade o estabelecimento de um Canon só contribuiu para o levantamento das duvidas, já que sendo fragmentado o evangelho não poderia se conectar conforme o pensamento do clero.
Sendo uma mensagem universal o evangelho se adequou em todas as culturas que se submeteu, por isso floresceu sem impedimentos e não se chocou com as culturas locais.
Por fim se adequou ao Império Romano Helenista, Monogâmico, Militarista, e a ideia de torna-lo Homogêneo a uma cultura só, ou seja homogêneo á cultura que era a Dominante, isso que gerou todas as controvérsias, todas as guerras.

Anônimo disse...

O texto e bem elaborado tem coisas que acontece no dia a dia que a biblia explica tem outras que nao.no texto diz que lutero nao concorda com uma epistola de sao thiago achando que era mundana d+como lutero pode julgar as palavras de quem andou,comeu,bebeu,dormiu,viu milagres e o martirio do nosso senhor. Ate lutero tinha sua descordancia,a respeito de constantino Deus conserteza o usou para propagar sua igreja,ele sendo um homem justo ou nao foi ele que Deus escolheu para financia o cristianismo.A respeito da matanca da igreja catolica nao vamos compara o homem de 2.000anos atras com o de hoje o homem de ontem era totalmente ignorante. E nao vamos esquecer que varias criancas forao arrancadas dos bracos das maes e mortas para que jesus sobrevivesse mas nois sabemos que o cristianismo no passado nao foi so mortes.

Anônimo disse...

Anja, não concordo com proverbios 17:17 pq amigos não existem. Odeio a palavra amigo, nunca tive um.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...