Pesquise artigos do blog:

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Não deixe que transformem sua igreja num curral eleitoral!




Há uma passagem bíblica que muitos evitam comentar por se sentirem confusos em seus valores acerca da concepção cristológica já construída em nossas mentes. Trata-se da surpreendente atitude que Jesus teve quando expulsou os vendilhões do Templo judaico. Ali o Senhor estava verdadeiramente irado contra os homens que, com o indubitável apoio do sumo sacerdote, estavam transformando aquele local de oração num mercado:

Quando já estava chegando a Páscoa judaica, Jesus subiu a Jerusalém. No pátio do templo viu alguns vendendo bois, ovelhas e pombas, e outros assentados diante das mesas, trocando dinheiro. Então ele fez um chicote de cordas e expulsou todos do templo, bem como as ovelhas e os bois; espalhou as moedas dos cambistas e virou as suas mesas. Aos que vendiam pombas disse: “Tirem estas coisas daqui! Parem de fazer da casa de meu Pai um mercado!” Seus discípulos lembraram-se do que está escrito: “O zelo pela tua casa me consumirá”. (Evangelho segundo João 2.13-17; tradução da Nova Versão Internacional)

Ao meditar nesta palavra e tentar aplicá-la aos dias de hoje, recordo-me daqueles pastores evangélicos que tentam manipular as ovelhas de Cristo para conseguirem votos em favor de seus candidatos.

De umas décadas para cá, tornou-se muito comum algumas denominações evangélicas lançarem seus próprios candidatos. Quando não são os próprios pastores e bispos que se aventuram na política, líderes de igrejas fazem acordos secretos com políticos e o apresentam para a comunidade como alguém escolhido por Deus e que vai ajudar no desenvolvimento de sua obra, caso seja eleito. A Igreja Universal do Reino de Deus, por exemplo, chega a envolver diretamente os seus membros durante as eleições de modo que já vi, em diversas ocasiões, pastores e obreiros da IURD trabalhando para o senhor Marcelo Crivella que, em 2010, conseguiu manter-se no nosso vergonhoso Senado por mais oito anos.

Diferente do que muitos cristãos esperam, os candidatos eleitos pelas igrejas nem sempre estabelecem a moralidade dentro das instituições políticas. Constantemente ouve-se falar de escândalos praticados por integrantes da “bancada evangélica”. Uma vez que tomam posse no Congresso Nacional, tais deputados acabam fazendo o mesmo que os demais políticos, envergonhando o nome de Jesus.

Felizmente, a farsa desses lobos mentirosos está caindo, mas é preciso ficarmos atentos contra as maneiras mais sutis de manipulação praticada pelas tais lideranças evangélicas. Há pastores que, atualmente, dizem ser contrários à vinculação do Evangelho à política. Porém, quando chega esta época (2012 terá eleições municipais), eles sempre dão um jeitinho de apresentarem seus candidatos às comunidades que dirigem, consentindo com panfletagens na porta de saída do templo e fazendo uma discreta propaganda boca a boca já que grande parte da população não sabe em quem votar nas eleições proporcionais (tipo as de vereador e deputado).

Mas será que um pastor não tem o direito de compartilhar em quem pretende votar?

E um seguidor de Jesus não pode de maneira alguma ser candidato a cargos eletivos?

Estas são duas questões que, a meu ver, não podem se confundir com a manipulação. Um pastor brasileiro também é um cidadão como todos nós, tendo direito de votar e ser votado. E, por viver num regime democrático, pode perfeitamente ir aos comícios, participar de carreatas, manifestar sua opinião em blogues como este e pedir votos no Orkut ou Facebook, desde que não se aproveite do ministério que exercem para este fim. Inclusive, acho até saudável que pastores orientem melhor as pessoas a votarem com consciência, deixando cada um livre para escolher o seu próprio candidato. Contudo, não é nem um pouco ético tais líderes manipularem as igrejas para atendimento de seus interesses eleitoreiros.

Uma comunidade cristã não se baseia unicamente na legalidade, mas coloca acima das leis seus princípios éticos, bem como consultando livros sábios a exemplo da Bíblia, a qual nos leva a refletir a respeito da falta de propósitos que há nas “candidaturas evangélicas”. Pois, se lembrarmos de como Jesus agia, logo nos recordaremos que o seu Reino nunca foi deste mundo, conforme consta na resposta dada Pilatos no Evangelho de João. Jesus mesmo parece não ter desejado que seu ministério fosse associado com a política suja dos homens, conforme aconteceu no episódio da multiplicação dos pães:

Depois de ver o sinal milagroso que Jesus tinha realizado, o povo começou a dizer: “Sem dúvida este é o Profeta que deveria vir ao mundo”. Sabendo Jesus que pretendiam proclamá-lo rei à força, retirou-se novamente sozinho para o monte. (João 6.14-15)

Se meditarmos na história eclesiástica, também nos lembraremos do que aconteceu quando a Igreja se associou politicamente ao Império Romano. Tendo o catolicismo se tornado a religião oficial, eis que, ainda no século VI, os cristãos tornaram-se perseguidores do paganismo e daqueles que eram reputados como hereges. Não demorou muito, os papas tornaram-se monarcas de um poderoso reino teocrático, concentrando em suas mãos a propriedade de grande parte das terras na Europa. Com isto, as lideranças institucionais da Igreja perderam o rumo, de maneira que o Evangelho foi vivenciado por corajosos homens como Francisco de Assis e Antônio de Pádua, os quais preferiram servir os pobres do que aos prazeres pecaminosos das riquezas ilícitas.

Num ano em que lobos que se dizem pastores já começam a usar de argumentos mentirosos afim de pedirem votos para os seus candidatos, precisamos nos mobilizar contra esta prática imoral dentro das igrejas. Não podemos de maneira alguma aceitar que esses vendilhões do templo da atualidade permaneçam no nosso meio tentando fazer do lugar onde pessoas se congregam um curral eleitoral. Portanto, vamos denunciar estes bandidos!



 
Licença Creative Commons
Não deixe que transformem sua igreja num curral eleitoral! de RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.
Based on a work at doutorrodrigoluz.blogspot.com.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...