Pesquise artigos do blog:

terça-feira, 27 de março de 2012

ABSURDO: Teólogo americano afirma que que o homossexualidade é um crime, assim como o assassinato ou roubo

NOTA DO BLOG Mundo Da Anja:

Mais um maluco "teólogo" (???) que se julga o dono da verdade e da Verdade [sic], fazendo-se porta-voz direto de Deus e seu representante direto na terra! Uma visão tosca, e errada, isto é fato: ERRADA! Não falo com base em hermenêuticas e exegeses, pois mesmo se assim fosse, ficaria óbvio que o tal dr. Cheung está, além de enganado, visivelmente perturbado para escrever tal artigo. Mas falo baseada na máxima que apenas os homens excluem, somente Cristo foi inclusivo... somente Cristo. E é isto o que tenho aprendido e procurado viver: Não excluir  incluir! Em  minha opinião, deviam se preocupar com o ser humano, com a vida, pois é isto que Jesus veio ensinar-nos. O amor à vida, ao ser humano e não a dogmas, doutrinas e teologias. E enquanto não aprendermos a ver isto, sempre seremos menos e piores seres humanos e o mais divino dos demônios!!!

Cada vez que um dogma precisa ser salvo, se mata uma vida!
_________________________________________

Vincent Cheung é o presidente da Reformation Ministries International [Ministério Reformado Internacional]. O autor de mais de vinte livros e centenas de palestras sobre uma vasta gama de tópicos na teologia, filosofia, apologética e espiritualidade escreveu recentemente um artigo sobre o casamento entre homossexuais.
O texto, publicado no site Monergismo.com, Cheung afirma que o homossexualidade é crime tanto quanto um assassinato ou roubo.
Leia o texto na íntegra: 


Casamento “gay”, certamente, significa casamento feliz [Nota do tradutor: no inglês, a palavra gay pode significar alegre]. Contudo, o debate que está acontecendo quase debaixo da rua de onde estou digitando esta mensagem, é sobre casamento homossexual. Talvez no futuro eu escreva sobre o homossexualismo com detalhes, seja num livro ou num artigo. Aqui explicarei somente a direção geral do meu pensamento sobre este assunto.

Até mesmo muitos cristãos que são contra o casamento homossexual, são ávidos em insistir que eles não querem discriminar os homossexuais e, portanto, eles não têm problemas com a “união civil”. Mas eu não faço esta concessão tão prontamente.

Sodomia tem sido uma ofensa criminosa em alguns Estados. Alguns de vocês provavelmente ouviram como policiais capturaram dois homens homossexuais no ato de sodomia no Texas, e lhes acusaram de sodomia. Os homens foram absolvidos porque a corte disse que a lei não deveria interferir em atos pessoais e consensuais entre adultos. Eu não estou familiarizado com os detalhes do caso, mas os detalhes não são importantes –– meu ponto é que o homossexualismo é tecnicamente ainda um crime em alguns lugares, e dizer que o homossexualismo deveria ser considerado um crime não seria inteiramente novidade.

O Antigo Testamento considera o homossexualismo não somente como uma ofensa criminosa, mas também como uma ofensa capital, merecedora de morte. Eu concordo com esta categorização e com esta punição, e há pelos menos uns poucos outros teólogos que também concordam com isto. Isto é apenas dizer que estamos de acordo com a Bíblia sobre o assunto. Assim, os cristãos não deveriam discutir tão apressadamente o casamento e a união civil entre homossexuais. O que eu quero discutir com o incrédulo é, em primeiro lugar, o porquê o homossexualismo não é um crime.

É porque ele é um ato ou um relacionamento entre dois adultos em consentimento? Primeiro, o que é um adulto? O Estado define arbitrariamente o adulto, de forma que uma pessoa de 17 anos de idade não conta. Segundo, por que o ato ou o relacionamento é permitido, se for entre adultos em consentimento? Isto é, antes de mais nada, por que a premissa é verdadeira? Terceiro, visto que todos os argumentos devem, no final das contas, escalar ao nível pressuposicional, devo perguntar finalmente se o ato ou relacionamento tem ou não o consentimento de Deus.

É porque o ato ou relacionamento não fere ninguém? Primeiro, qual é a definição de “ferir”? Se eu disser que o homossexualismo me causa nojo e tira o meu apetite, e, assim, que perco uma degustação perfeitamente deliciosa das coxas de galinha que minha esposa preparou para mim, isto não conta? Por que ou por que não? Ele me “fere” num sentido, não fere? Se ele rouba meu apetite, desperdiça o tempo da minha esposa e desaponta as coxas de galinhas que esperaram tanto tempo no forno, e tudo isto não conta como um “ferir”, então, sobre que tipo de ferir vocês estão falando? Eles devem definir e então defender a definição. Segundo, por que o ato ou o relacionamento deveria ser permitido, conquanto que ele não “fira” alguém? O que faz disto o padrão? E, este é o único padrão de moralidade, ou este é o único assunto para se determinar se o homossexualismo é certo ou errado? Por que ou por que não? Nós poderíamos continuar e continuar, mas como em qualquer outro assunto, o incrédulo não pode dar um só passo além do que lhe permitimos, visto que ele não tem justificativa para nenhum dos passos em seu processo de raciocínio.

Novamente, minha posição não é apenas que os homossexuais não devem se casar, mas que o homossexualismo é um crime, assim como o assassinato ou roubo, de forma que mesmo antes de considerar a união civil, devemos considerar o punir ou não aos homossexuais, com as possíveis punições, abrangendo desde a prisão à execução. Moralmente falando, a união civil e o casamento não deveriam nem sequer aparecer na lista de opções. Mesmo que a moralidade bíblica não requerisse castigo ou execução para o homossexualismo, certamente nenhum cristão deveria argumentar que os homossexuais têm o direito de ter união civil. Mas parece que a maioria dos cristãos não está suficientemente incomodada ou desgostosa com o homossexualismo.

Assim, por que o homossexualismo não é um crime? Por quê? Se eu permitir que a Bíblia defina o que é um crime e o que não é um crime, então, como eu posso não definir o homossexualismo como um crime? Mas, uma vez que alguém perguntar o porquê devo me submeter à definição da Bíblia, então, devemos ir além de uma confrontação sobre o homossexualismo somente, e entrar numa confrontação pressuposicional concernente às nossas diferentes cosmovisões. Assim, um debate ainda mais fundamental e produtivo poderá começar, e é um debate que podemos e devemos ganhar sempre.

Assim como em outros assuntos relacionados à apologética, os cristãos tendem a conceder muito terreno antes de traçar a linha delimitatória e permanecer firme. Assim, vigiem a si mesmos quando conversarem com incrédulos. Não conceda terreno nem permita premissas que você não tenha que conceder ou permitir. Embora as leis da nação possam não mudar para refletir o padrão bíblico, quando diz respeito a debates intelectuais sobre o assunto, não precisamos abrir mão de nada.

_____________________________________
Vincent Cheung é o presidente da Reformation Ministries International [Ministério Reformado Internacional]. Ele é o autor de mais de vinte livros e centenas de palestras sobre uma vasta gama de tópicos na teologia, filosofia, apologética e espiritualidade.

Fonte:http://www.guiame.com.br/noticias
Postei o artigo pra que meus amigos comentem, expressando sua opinião,
Grata,
Anja

2 comentários:

Joe Leit disse...

Existe lugares no mundo onde ser Cristão é muito mais aboninavel que o homossexualismo... Não precisa ser psicologo para ver que esse texto é uma auto repreension. É biblico que nao se deve interfirir nos costumes dos ''gentils'', paulo até disse que sefosse assim teriamos que deixar o mundo, se o que os outros fazem dentro de quatro paredes o afeta a ponto que ele perca o apetite, não é por causa da biblia, e sim por um motivo pessoal.

Lôh disse...

Vamos ver o que Jesus acharia disso:

Nada há fora do homem que, entrando nele, possa contaminá-lo; mas o que sai do homem, isso é que o contamina. [Se alguém tem ouvidos para ouvir, ouça.] (...) Pois é do interior, do coração dos homens, que procedem os maus pensamentos, as prostituições, os furtos, os homicídios, os adultérios, a cobiça, as maldades, o dolo, a libertinagem, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a insensatez; todas estas más coisas procedem de dentro e contaminam o homem.
(Mar 7:15-23)

Se ele perde o apetite ao pensar sobre o que homossexuais podem estar fazendo entre quatro paredes, as chances dos pensamentos DELE estarem deixando ELE impuro é muito maior do que aqueles que ELE julga ser de fato impuros.

O problema não é outro e muitos menos o que a bíblia diz. É ele mesmo. Vem dele mesmo e contamina ele mesmo...

E esse teólogo não deve esquecer da soberba (listada acima) e que Jesus não julgou a mulher adúltera.

E o cara ainda usa do Velho Testamento ainda dizer que ser homossexual pode tornar uma pessoa criminosa passível a pena de morte?

Ele deve esquecer que a natureza de Jesus é bem diferente da do velho testamento. Um fato distingue isso é no episódio de Elias, descrito em II Reis 1:9-12 -> Morreram 102 pessoas inocentes, tudo pra provar que o Deus de Israel é quem devia ter sido consultado pelo rei, no lugar do deus do vizinho.
O que Jesus acha disso? Em Lucas 9:51-56 -> Jesus estava indo pra Jerusalém e enviou dois mensageiros na frente, pra lhe reservarem uma pousada numa aldeia de samaritanos. Ora, os samaritanos (que nem se consideram judeus) negam estadia a Jesus! Mas que despeito, pensam logo seus discípulos, Tiago e João. Como ousam? Tomados de brio, eles disseram a Jesus: "Senhor, queres que mandemos descer fogo do céu para os consumir?" (como Elias também fez). Jesus, porém, repreendeu-os e disse: "Vocês não sabem qual tipo de espírito vocês são. Pois o Filho do Homem não veio para destruir as vidas dos homens, mas para salvá-las". E foram para outra aldeia. Jesus desmontou-os. De "Portadores da Vontade de Deus na Terra" a NADA em uma frase. Estavam completamente enganados... que bom que havia um Jesus ali para estar dizendo isso a eles. E quantos aqui não têm?

Paz da Soberba...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...