Pesquise artigos do blog:

quinta-feira, 19 de abril de 2012

O surto de racismo e a Razão do Racismo.


By Claudio Do Nascimento


O surto de racismo e a Razão do Racismo.


Nada mais me choca do que a intolerância porem outro dia fiquei mais do que escandalizado, quando um amigo meu da Bahia me disse pelo Facebook que foi agredido na porta da escola onde fazia curso de Animação gráfica, e ao que tudo indica por puro e simples racismo.

Racismo é um Sistema que afirma a superioridade de um grupo racial relativamente aos outros, preconizando, em particular, o isolamento destes no interior de um país (segregação racial) ou até visando ao extermínio de uma minoria (racismo anti-semita dos nazistas).[1] Tudo parece ter começado com o sistema de castas, A divisão da sociedade em castas é determinada a partir da hereditariedade. As castas se definem de acordo com a posição social que determinadas famílias hindus ocupam. Fator que estabelece um tipo de “hierarquia” social marcada por privilégios e deveres. 


Em um primeiro momento existiam somente quatro tipos de castas na Índia, que eram: os brâmanes (composta por sacerdotes), xatrias (formada por militares), vaixias (constituída por fazendeiros e comerciantes) e a mais baixa, os sudras (pessoas que deveriam servir as castas superiores).


As pessoas que não faziam parte de nenhuma das castas recebiam o nome de párias ou intocáveis. Pessoas excluídas que tinham a incumbência de realizar os mais deploráveis trabalhos, aqueles rejeitados por indivíduos que integrava alguma das castas.


Atualmente, existem cerca de 3 mil castas distintas na Índia. A proliferação do número de castas se deve, principalmente, pelo crescimento populacional e também pelo dinamismo e diversidade das atividades produtivas, promovidas pelo crescimento econômico que o país vem passando nos últimos anos. [2]


Esse sistema tem como principal característica a segregação social, determinando a função das pessoas dentro da sociedade indiana.


Tal segregação resulta em desigualdade social, que é explicada pelo fato de um indivíduo não poder ascender para uma casta superior.


Segundo o governo indiano, o sistema de castas não existe mais no país. Apesar do governo não admitir, a verdade é que esse sistema está presente na sociedade, interferindo diretamente na qualidade de vida da população indiana.[3]
A palavra ariano, ao referir-se a um grupo étnico, tem vários significados. Refere-se, mais especificamente, ao subgrupo dos indo-europeus, que se estabeleceu no planalto iraniano desde o final do terceiro milénio a.C. e que povoou a Península da Índia por volta de 1500 a. C., vindo do norte, pelo Punjabe, disseminando-se pela Índia, Pérsia e regiões adjacentes. Estes são também chamados de árias. A sua cultura ficou particularmente expressa nos Vedas e, principalmente, no Rig Veda, considerado como o mais antigo. Por extensão, a designação "arianos" (não o termo "árias") passou a referir-se a vários povos originários das estepes da Ásia Central - os Indo-europeus - que se espalharam pela Europa e pelas regiões já referidas, a partir do final do neolítico. O termo designa ainda os descendentes dos indo-europeus que fundaram a civilização indiana, subjugando as populações locais, dando origem ao sistema de castas e, mais especificamente, às castas dominantes dos Brâmanes, xátrias e vaixás.
O termo refere-se, também, na História das Línguas, ao proto-ariano, que teria sido o ramo linguístico comum aos antepassados dos povos indo-áricose iranianos e aos dois grandes subramos linguísticos a que terá dado origem, ou seja, às línguas indo-áricas e às línguas iranianas. Estes dois sub-ramos são árico ou indo-iraniano. Pode ainda referir-se, especificamente, aos grupos linguísticos actualmente [2] conhecidos como proto-indo-europeu, proto-indo-iraniano e indo-iraniano. Em tempos, também se utilizou o termo para designar todas as línguas indo-europeias.
O termo ganhou outro significado com a ideologia nazi que, baseando-se em teorias de vários autores do século XIX, o usou para classificar uma suposta raça comum aos indo-europeus e aos seus descendentes não miscigenados com outros povos. Deve-se a este facto a vulgar confusão que identifica arianos com os povos nórdicos e, mais especificamente, germânicos.

Já ouviste falar em Apartheid?
Sabes o que significa?

Apartheid, “vida separada”, é uma palavra de origem africana adoptada legalmente em 1948 na África do Sul. Foi um dos regimes mais cruéis que já existiu. Teve origem no inicio do séc. XVII, altura em que muitos países colonizaram a África, como a Holanda, a França e a Alemanha.
Estes queriam criar uma raça perfeita, só de brancos. Achavam que foram escolhidos por Deus, desta forma puseram em prática na África do Sul a separação de negros e brancos.

O Apartheid reflectia-se na habitação, no emprego, nos serviços públicos…, pois os negros não podiam ser proprietários de terras, eram excluídos do governo nacional e de diversos empregos (normalmente trabalhavam nas minas e eram empregados sem direitos dos brancos). Eram obrigados a viver em zonas residenciais separadas das dos brancos, sobrelotadas e sem o mínimo de condições, nomeadamente falta de electricidade, saneamento e água potável.
As propriedades dos negros foram-lhes confiscadas.

Na saúde, a discriminação também se sentia: hospitais para brancos, bem equipados e sem falta de médicos e enfermeiros. Hospitais para negros mal equipados e com falta de pessoal. Uma ambulância branca não levaria um negro.

A educação de cada criança negra custava ao estado apenas 1/10 de cada criança branca. As poucas universidades de alta qualidade eram reservadas aos brancos.

As leis eram bem mais rigorosas para os negros, a título de exemplo: o sexo inter-racial era proibido, o negro que violasse uma branca ficava sujeito à pena de morte, mas um branco que violasse uma negra pagava uma multa ou nem isso.

Para lutar contra essas injustiças os negros uniram-se e criaram o Congresso Nacional Africano – CNA, uma organização clandestina, cujo líder foi Nelson Mandela, que chegou a ser preso, em 1962 e condenado à prisão perpétua após o CNA ter optado pela luta armada depois de um grande massacre em Sharpeville. Em 1973 a Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) condenou as atitudes que ocorreram na África do Sul e classificou-as como crime.

Na década de 80, Frederik de Klerk chegou a presidente. Em 2 de Fevereiro de 1990, na abertura do Parlamento, de Klerk declarou que o Apartheid havia fracassado e que as proibições aos partidos por parte dos negros e também o embargo económico implantado pelo governo Norte-americano em 1986 foram decisivos para a abolição do Apartheid. extinção daquele regime só ocorreu realmente quando Nelson Mandela alcançou a presidência, após eleições em que pela primeira vez os negros votaram.[4]
Mandela alcançou a presidência, após eleições em que pela primeira vez os negros votaram
Então chegamos Aos Mouros Na linguagem comum, os mouros são muitas vezes associados aos seguidores do Islão. Isto se deve ao fato de terem sido estes povos não cristãos que mais recentemente ocuparam os territórios da Península Ibérica.
Admite-se que as Cruzadas, assim chamadas as peregrinações em direção a Jerusalém, também estiveram identificadas com as lutas travadas contra os muçulmanos na Península Ibérica e contra os hereges em toda a Europa Ocidental.

"Mouros", "Sarracenos", "Infiéis" etc. eram os termos pejorativos pelos quais os cristãos europeus se referiam aos muçulmanos, em particular àqueles vindos do Norte da África, os quais teriam, dentre outros feitos, ocupado e governado uma vasta região da Península Ibérica - atualmente Portugal e Espanha - durante quase oito séculos (de 711 a 1492).

Em 711, os muçulmanos (mouros ou árabes) cruzaram o Estreito de Gibraltar e invadiram a Península Ibérica, provocando uma fuga da população local para o norte da península, onde foram fundados vários reinos ibéricos ou cristãos, como Leão, Castela, Navarra e Aragão, que, ainda no século VIII, iniciaram uma luta para expulsar os invasores - a Guerra da Reconquista, também chamada de “Cruzadas Ocidentais”.[5]

E onde quero chegar, isso tudo mostra que o racismo e a discriminação são raízes do passado os Alemães começaram a odiar os judeus, e se autoproclamarem a raça escolhida, o povo eleito pelo Universo tudo isso devido a guerras travadas por essas etnias e no campo politico social e bélico, assim no Brasil, boa parte do racismo “real” não aquele dos extremistas (Toda ideologia tem extremistas) vem dos Portugueses por terem sido expulsos pelos Mouros de sua terra, na verdade o Ocidente ainda guarda muita mágoa dos Orientais, principalmente dos Islâmicos.

Mas essa mágoa é descontada em quem nada teve com essas guerras despóticas, em gerações que não viram o horror da guerra, nem participaram dela.

Por um lado esse racismo nasce de uma cultura que no passado foi humilhada, por outra cultura, por diversas razões, como no caso da Alemanha que foi humilhada na primeira Guerra, (teve seus motivos)e tentou descontar na II Guerra Mundial, tomando os Judeus como bodes expiatórios, não sei se os judeus superaram isso, e se podem olhar para os alemães como pessoas como eles, ou se vão apenas discriminar estes como todos que tentaram eliminar sua raça da face da terra, que o segregou, e fez passar fome.

E o que falar das nações que invadiram a África e fez do povo que morava ali como escravos, (até hoje os africanos sofrem os efeitos disso, e ainda tem deputado evangélico que diz que eles são um povo amaldiçoado), será que esse povo um dia vai superar toda essa humilhação e perdoar seus algozes, ou irão se tornar algum dia senhores do mundo e assim poder se vingar de seus antecessores.

Isso mostra que racismo é burrice, e das velhas. Outro exemplo é a Guerra das Ilhas Malvinas, que conceito tem um povo do outro, que esta envolvida na Guerra, ali é um campo fértil para nascer pré-conceitos, sobre pessoas que ainda vão nascer e que não vão ter o mesmo caráter das pessoas que preferiram a guerra.



Assim também o meu amigo L.C, foi agredido sem ao menos conhecer seu agressor quanto mais ter feito algo de errado, e mesmo que fosse um estrangeiro de um país rival, o que não era o caso, porque ele é um brasileiro nato, mesmo assim foi agredido, por mágoas do passado, em que até o agressor em nada tinha parte.

Como as pessoas podem querer se vingar de coisas que não são de sua alçada, nem de seu tempo sobre pessoas que também não pertencem á aquele história, julgando-as pela cor, e origem de nascimento, sim, por que o xenofobismo também envolve essa questão, se pesquisar, pode ver que o anti - nordestismo , é consequência de guerras internas no Brasil, assim também como nos EUA, os Sulistas não vão com a cara de Yankees.

Esta na hora de primeiro não lutarmos por guerras tolas, e segundo, se fizermos a primeira besteira, não nos magoarmos até a morte, e levar junto nossa descendência.

Isso aconteceu no dia 27 de Março de 2012 por volta das 05h00min, no bairro de São Joaquim , na Porta do Senac com meu amigo R.P de 18 Anos,  Estudante de Animação Gráfica um garoto ainda, que pela primeira vez segundo ele  sofre com o racismo, eu queria postar linhas aqui sobre o assunto mas resolvi descrever o relato por suas próprias palavras.

Pedi a ele e ele me concedeu essa entrevista pelo Facebook que transcrevo abaixo,  em forma de conversa informal.


Você estava sozinho? Quantas pessoas estavam na hora do ocorrido?

                Umas 20
Ele era estudante, ou estava de passagem?

Ele estava usando uma camisa do Corinthians, menor que eu, meio gordo, Branco, 1.65, por aí.

Ele bateu em mais alguém?


Bateu em umas 15 pessoas.

Ele foi muito violento, quais foram as consequências?

Rosto machucado, Hematomas, Saiu dando murro nas pessoas na fila, menos nos brancos.
Ele tinha aparência de que qual classe social?

Classe media baixa.

As outras pessoas também eram do sexo masculino?

O detalhe é que ele disse antes de agredir que ia mandar todo mundo de volta para Mouro-landia, tinha umas mulheres.
Conseguiu distinguir a idade dele?

Mais parecia ser um sujeito lá pros 30 anos

O que mais ele disse?

Disse que ia nos mandar de volta para Mouro-landia, e que nós mouros não poderíamos continuar vivos. E que enquanto viver não vai parar até que todos os mouros morram.

Vocês conseguiram ter alguma reação, antes que ele começasse a agredir?

Uns caras reagiram, mas não foram páreos, um tomou um chute, caiu e ficou no chão mesmo.
Quantos minutos duraram, toda essa violência?

10 á 15 minutos isso porque conseguiram imobiliza-lo;( uns cinco caras).
A polícia chegou na hora do ocorrido?

Pouco depois do show.
O que eles fizeram e disseram?

Levaram o cara, levou algumas pessoas para dar depoimento, perguntaram tudo na delegacia, pararam a viatura,e eles viram o cara no chão com cinco homens em cima, ai contaram tudo, testemunhas confirmaram, cadeia nele.

Ele tentou se defender, ou ficou calado?

Ficou falando que os mouros eram perigosos.

Você achou na hora que era racismo explicito, ou pensou que ele estava drogado?

Pensei que era um doido, segundos depois levei na cara e cai, ai não pensei em mais nada.

Você tentou se defender, alguém tentou reagir, ou ninguém esperava uma ação do tipo?

Ele saiu dando murro nas pessoas da fila, só evitou bater nos brancos, na mesma hora os caras se defenderam, ai a pancadaria começou.
Você já foi agredido ou assediado dessa forma, ou foi á primeira vez?Ou já disseram algo do tipo, "seu negro", "Mouro"?

Não, primeira vez.

_______________________________

Para comentar visite e prestigie o blog do autor : O surto de racismo e a Razão do Racismo.(link)

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...