Pesquise artigos do blog:

terça-feira, 10 de abril de 2012

O VALOR DE UM MARTÍRIO



Via Confraria Teológica (link)


By Donizete


O martírio cristão é um tema que tem despertado minha curiosidade nesses últimos dias. Primeiramente em razão da veiculação da notícia da condenação do pastor Yousef Nadarkhani em terras iranianas. Segundo algumas agências de notícias, o tribunal da província de Gilan deu ao Pastor Nadarkhani a oportunidade de se retratar e renunciar à sua religião cristã, já que ele vem de uma família de ascendência islâmica, porém ele se recusou. O que resultou em sua condenação e sentença a morte por enforcamento.

Depois pelo contato com o inspirador e desafiador livro Bonhoeffer, pastor, mártir, profeta, espião.Lançado recentemente pela Editora Mundo Cristão. O livro é uma biografia de Dietrich Bonhoeffer, um dos principais teólogos alemães que juntamente com Barth se destacou como uma das figuras principais da resistência contra o regime nazista. Mas que teve a sua luta interrompida a poucas semanas do fim do Terceiro Reich, sendo enforcado por ordem direta de Adolf Hitler.

Em termos gerais um mártir é uma pessoa que morre por sua fé religiosa. Ainda que no decorrer da história, o termo tenha ganhado outros conceitos, como por exemplo; morrer patrioticamente pela liberdade e independência de um povo, ou por um ideal político ou social. Entretanto, do ponto de vista cristão e dentro do contexto no qual se desenvolveu a história da igreja, o mártir é aquele que preferiu morrer, ante a opção de renunciar a sua fé em cristo. Ou seja, decidiu entregar sua vida para que a essência da verdade professada por ele fosse preservada.

Escritos dos pais da igreja primitiva, revelam que o martírio pode ser considerado o testemunho final, a completa declaração pessoal da fé em Cristo, a maior proclamação da palavra de Deus. A primitiva comunidade cristã viam nos irmãos que perdiam a vida com o martírio, um estímulo à perseverança e novos intercessores junto com Cristo. Os mártires eram o orgulho da fé cristã, sendo também um fator determinante para o crescimento do movimento cristão nos primeiros séculos. Tanto é verdade que Tertuliano, cunhou nesta época sua célebre frase “O sangue dos mártires é a semente da Igreja”

Ainda hoje, os cristãos consideram o martírio como sendo a mais alta identificação com Cristo. Realizando inclusive a bem aventurança proclamada por Jesus: “Bem aventurado sois vós quando vos insultarem, vos perseguirem e, mentindo, disserem todo tipo de mal contra vós por causa de mim”, afirmando entre outras coisas que a falta de mártires em alguns locais deve-se a perda de identidade com Jesus. E que a partir do momento em que igreja não é contestada, questionada ou perseguida, ela deve seriamente se perguntar se está sendo fiel à sua missão.   

Não pretendo neste artigo enumerar os mártires, que teve com Estevão à inauguração de sua era, nem tão pouco entrar no mérito da veracidade dos escritos que a tradição cristã dispõe sobre o assunto. Mas como contra ponto a esta convicção, que para os cristãos tem caráter irrefutável, coloco a respeitável opinião de Nietzsche. Sendo inclusive, a partir exatamente do conceito nietzscheano que proponho a base para os amigos confrades exporem também suas opiniões.

Em sua obra O Anticristo, Nietzsche disse o seguinte: “que mártires provem algo pela verdade de uma causa, é tão pouco verdadeiro, que eu negaria que jamais um mártir teve em geral algo que ver com a verdade. No tom com que o mártir lança à cara do mundo sua certeza de verdade, já se exprime um grau tão baixo de honestidade intelectual, um tal embotamento para a questão da verdade, que nunca é preciso refutar um mártir.”
Em outro texto o pensador alemão afirma que: “a morte de mártires, dito de passagem, foram uma grande infelicidade na história: seduziram a conclusão de todos os idiotas, mulher e povo inclusive, de que uma causa pela qual alguém vai a morte tem de haver algo  (...) Altera-se algo no valor de uma causa, se alguém deixa por ela sua vida?” Indiretamente Nietzsche considera uma estupidez valorizar uma causa em detrimento da vida, e que a morte dos mártires nada faz além de seduzir e prejudicar a verdade. 

Ainda neste mesmo texto Nietzsche cita as palavras de Zaratustra, que são ainda mais categóricas em relação a este assunto: “Signos de sangue escreveram eles sobre o caminho que seguiam, e seu disparate ensinava que com sangue se prova a verdade. Mas o sangue é a pior testemunha da verdade; sangue envenena ainda  mais o puro ensinamento, em delírio e ódio dos corações. E se alguém passou através do fogo por seu ensinamento – o que prova isso! Mais vale, em verdade, que de seu próprio incêndio saia sua própria doutrina.”

Percebemos com isso que não existem verdades, práticas ou certezas diante das quais haja total unanimidade e unidade de pensamento. Devemos reconhecer este fato com humildade. E em relação ao assunto em pauta, o cristão se depara com uma dialética que via de regra lhe passa despercebida, mas que exige dele uma solução: a de que o Deus, autor da vida, que leva o homem naturalmente a prezá-la como seu bem maior, exige dele que a renuncie em favor de si.  

Para concluir, é bom lembrarmos que a tradição cristã faz com razão, uma nítida diferenciação entre o suicídio e o martírio. Condenando veementemente o primeiro e em alguns casos até aconselhando o segundo. É lógico que não devemos aproximar ou comparar o suicídio com o martírio. Mas não podemos negar que há entre os dois casos, pelo menos um ponto de contato: Ambos evidenciam um certo desdem pela vida. 


_______________________
Quem quiser acompanhar o debate que ta comendo solto no blog de origem, segue o link: 
O valor de um martírio

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...