Pesquise artigos do blog:

sábado, 19 de maio de 2012

Fundamentos do moralismo religioso




By Roger

O primeiro homem, ao sair da forma, não era um ser livre. Desconhecendo o bem ou o mal, não poderia fazer escolhas pautadas em sua própria consciência.

Quando Deus diz a Adão, “certamente você morrerá” não surtira o mesmo efeito de advertência que, hoje, para nós, cidadãos escolados no mal e na morte, surte.

Adão não poderia saber o que era morte, e nem mesmo avaliá-la como algo maligno. Para efeito de comparação seria como se Deus hoje te dissesse “se você fizer isso, certamente entrará para o estado ípsilon latus”. Ípsilon o quê? - Isto não te diria absolutamente nada!

Poderíamos imaginar assim o diálogo entre Deus e Adão:

- Não faça isso.

- Por quê?

- Por que você morrerá.

- O que é morrer?

- É difícil para você entender… Não é nada para o seu bem…

- E o que é bem?

- Bem é o contrário de mal.

- E o que é mal?

- O mal… Adão, simplesmente não faça isso.

- Mas por que?

- Porque estou mandando.

- Por que?

- Porque eu quero.

- Ah… entendi.

Completamente escravo da ordem divina, no que tange o julgamento moral, o homem precisaria, como já se poderia supor, ser completamente livre, no que tange a ação volitiva, para desobedecer, ou não.

Dito de outra forma: incapaz de julgar por si mesmo, o homem teria que, para não se comparar a um robô pré-programado,  ser capaz de, no mínimo, agir voluntariamente.

Ou ainda de outra maneira: até atingir a maioridade o homem precisaria da lei, só então poderia viver na liberdade do espírito, ou seja, de sua própria consciência.

O moralismo religiosos é aquele que nunca chega a idade adulta, nunca morre para a lei, nunca vive no espírito, por isso mesmo nunca vive, de forma alguma.

2 comentários:

rodrigo disse...

Agora sim!! Eis ai algo extremamente pautado na melhor regra hermenêutica: "BOM SENSO"! Parabéns ao autor.

Eduardo Medeiros disse...

Gosto muito do que o Roger escreve. Já o conheço há algum tempo.

E é claro que a narrativa bíblica não estava preocupada com essas contradições de Adão não saber o que era morrer, o que o autor quer mesmo comunicar é o problema do conhecimento. Conhecimento pode ser útil e benção mas pode ser também uma maldição...

olha, é impossível comentar as tuas postagens, elas ficam no "ar" no máximo um dia...rsss

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...