Pesquise artigos do blog:

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Bóson de higgs - nem a Deus, nem ao diabo




Bem o assunto em pauta é a possível descoberta do bóson de higgs, mas poucas pessoas sabem de fato o que é isso. E a falta de conhecimento sobre o assunto produz um emaranhado de especulações diversas principalmente pelos religiosos que são os que menos sabem a respeito e saem falando do que não sabem, pois como disse o grande Charles Darwin: "A ignorância gera mais frequentemente confiança do que o conhecimento: são os que sabem pouco, e não aqueles que sabem muito, que afirmam de uma forma tão categórica que este ou aquele problema nunca será resolvido pela ciência." e mais do que isso usam interpretações equivocadas de descobertas científicas para apoiarem suas convicções religiosas.

Como sei que nesse grupo há pessoas com conhecimento geral bem amplo e como sou acadêmico de física e matemática, vou tentar explicar o que é o bóson de higgs e acabar com essa falácia da religião sobre o assunto.

Primeiro ponto a esclarecer é o codinome dado à partícula, “Partícula de Deus”. A quem pense o nome é dado à importância da partícula, que poderia explicar fenômenos como o Big Bang, acontecimentos científicos e outros, e associar tudo isso a Deus - segundo o entendimento dos religiosos. Mas, na verdade, é quase um trocadilho. Leon Lederman, Nobel em física, escreveu um livro sobre o bóson de Higgs em 1993. Na época, cientistas não tinham nem chegado perto de comprovar a existência da partícula, era muito complicado. Assim, Lederman resolveu nomear seu livro como “The Goddam Particle” (A Partícula Maldita). Era um título bom, assim como o livro, mas o editor sugeriu, por questões de marketint e propaganda que o autor trocasse “Goddam” por “God”. E assim ficou, apesar de eu considerar o primeiro título muito melhor. Será que se ele tivesse adotado o primeiro título os religiosos estariam dizendo agora que a ciência estava provando a existência do diabo ou a inexistência de Deus? Creio que não.

Resumindo tudo o bóson de higgs é a partícula que faz com que você não seja um raio de luz. Vou explicar melhor. Vamos voltar no tempo até uma época em que o Universo inteiro era só um emaranhado de partículas subatômicas que vagavam na velocidade da luz. Então. Os bósons de Higgs, que estavam espalhados entre essas partículas, se uniram e formaram um grande oceano invisível. O resto da mágica aconteceu quando as outras partículas subatômicas começaram a interagir com este oceano. Algumas – os fótons, por exemplo – passaram direto. Outras – os quarks e elétrons – foram atraídas por este mar de bósons de Higgs. E à força que os quarks fazem para atravessar esse óleo nós damos o nome de massa. Isso está acontecendo agora mesmo: nós vivemos submersos no oceano de Higgs até hoje. Sem o bóson de Higgs, os quarks e elétrons não teriam massa. Seriam “raios de luz”. Sem quarks e elétrons não existem átomos. Sem átomos não existe você. Não existe nada.

Eles não têm certeza. Quer dizer: a certeza não chega a 100%, mas já é maior do que 99,9%. Funciona assim: a física de hoje tem uma espécie de “tabela” que lista todas as partículas elementares, os tijolos fundamentais da matéria. São seis tipos de quark (os tijolos dos prótons e nêutrons, que constituem basicamente tudo o que você enxerga). Tem também seis “léptons” (elétrons, neutrinos e mais quatro primos próximos deles). Para completar, existem 4 partículas “fantasmas”, geralmente sem peso nenhum, feitas de energia pura. Elas são os “bósons” – os tijolos das forças da natureza. A mais notória é o fóton, o tijolo (ou bóson, se você preferir) da força eletromagnética.

Nós chamamos as gangues de fótons que correm em bando por aí de “luz” e de “sinal de celular” – duas manifestações da força eletromagnética, ainda que bem distintas. As outras partículas de energia pura são os glúons, os elementos que mantém os quarks “colados” (glued) uns aos outros (Turun -tsss – os físicos adoram dar nomes engraçadinhos para partículas). Tem também os “bósons da força nuclear fraca”. Eles bem que mereciam algum nome engraçadinho, mas não ganharam. Ficou como bóson W e bóson Z.

Fechando o arcabouço das partículas elementares, vem a mais curiosa delas: justamente o bóson de Higgs. Ele entra como uma ferramenta para explicar porque existem partículas “fantasmas”, sem massa, e “concretas”, com massa. A ideia é que, na verdade, todas as partículas seriam fantasmas. Mas algumas deixariam para trás seu estado fantasmagórico ao interagirem com o oceano de bósons de Higgs que permeia o Universo – a ideia foi do físico Peter Higgs, que acabou batizando a coisa. Pronto. Tudo explicado.

Só que até hoje agora tínhamos tudo isso e um mistério. Uma a uma, todas as partículas elementares foram sendo descobertas. O glúon, porém exemplo, foi teorizado em 1962, pelo físico Murray-Gellman. E acabou descoberto em laboratório em 1978. Tudo foi ficando cada vez mais redondo, com a prática comprovando paulatinamente a teoria. Mas faltava achar justamente a partícula mais curiosa.

Agora não falta mais (ou, pelo menos, há mais de 99,9% de chance). Ao analisar os estilhaços de uma colisão entre prótons no LHC, apareceu algo de diferente em meio aos glúons e quarks de sempre. Era uma partícula nova, mas com a mesma massa que o físico Peter Higgs havia previsto para o seu bóson. Falta examinar outras características do achado para ter 100% de certeza de que ele é mesmo o Higgs. Mas os físicos estão confiantes.

De qualquer forma, ainda falta muito a descobrir. Tem as partículas responsáveis pela matéria escura, que representa 85% da matéria do Universo e que ninguém faz ideia do que se trata. Tem a energia escura, a força 100% misteriosa responsável pela expansão do Cosmos. E tem a gravidade. Ela é a força mais cotidiana, mais onipresente, mais pedestre. Mas ainda não sabemos do que ela é feita. Ou se é feita de alguma coisa. O Higgs não é nem o começo.

Nenhum de nós, meros mortais, entende muito bem como essa descoberta pode fazer diferença real em nossas vidas, mas faz. Isso muda tudo, e dá o pontapé inicial para milhares de outras teorias, hipóteses, etc. É tão fantástico estarmos presenciando isso que não encontro outro evento tão importante desde que eu nasci. Sorte de nós, que estamos vivendo nesse dia de hoje um momento tão importante para a ciência e para a história quanto aqueles que puderam viver nos tempos de Einstein, Galileu, Newton e tantos outros.

Tantas descobertas atuais são tão bobas, tão fraquinhas. As novidades da tecnologia têm se resumido em mais do mesmo. Nada é espetacular, nada é um divisor de águas. Nem a Apple tem trazido nada mais importante do que uma nova tela. Os fogos de artifícios que estão me dando dor de cabeça hoje deveriam ser para essa descoberta, e não para um jogo de futebol.

Falando de forma simplista, era como se os cientistas olhassem para uma tigela de gelatina com pedaços de frutas no meio, e não enxergassem ou soubessem explicar o que era a gelatina. Não soubessem como as frutas estavam ligadas, como juntas poderiam ser uma coisa só.

O pior é reclamarem do LHC. O Grande Colisor de Hádrons foi criado e construído em grande parte para comprovar a existência do bóson de Higgs (que, vale lembrar, “só” tem 99,99% de certeza da existência pelos pesquisadores ainda) e custou US$10 bilhões, dinheiro que poderia ser utilizado para várias outras coisas (erradicar a fome, salvar macacos bonobo, mico-leão-dourado, etc.). Primeiro, o dinheiro não é do Brasil (e nem de quem reclama), e quem gastou com isso tinha o direito de usar o dinheiro como quisesse.

E, gente, é isso que leva o conhecimento em frente. Pra quê serviu descobrirem que a Terra é redonda? Para quê serviu descobrirem outros planetas, outros sistemas solares, sistemas binários, etc.? Diretamente, no nosso dia-a-dia, não muita coisa. Mas a utilidade dessas coisas está em tudo o que fazemos e o que somos hoje. Conhecimento leva a mais conhecimento, e uma descoberta na Física se estende à Engenharia, à Medicina, aos eletrônicos em geral. Ou seja, você e o bóson de Higgs têm tudo a ver.

Agora quando alguém vier lhe falar que a "Partícula de Deus" foi descoberta você já sabe o que é e sabe que não tem nada, absolutamente nada, haver com Deus.

Autor: Pensador Livre

2 comentários:

Claudio Nascimento disse...

Só uma nota: O Silas Malafaia acabou de dizer( nesse momento) as 9:45 no Programa do Ratinho que a o Boson de Higgs é só uma teoria(sic)...

Anja_Arcanja disse...

kkkkkk êta silão falamala viu? kkk

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...